segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Neymar - Conversa entre pai e filho



Mais um livro sobre o craque Neymar Jr. Não se trata de uma biografia, mas como o próprio título diz, “Conversa entre pai e filho”. Os depoimentos de Neymar foram gravados pelo jornalista Ivan Moré, apresentador do programa Esporte Espetacular, da TV Globo. E o texto final tem a assinatura de Mauro Beting.

Sinopse (da Editora):

Neymar Jr. rejeitou, aos treze anos, uma proposta milionária para sair do Brasil que muitos consideravam irrecusável. Permanecendo no país, seu talento e simplicidade lhe asseguraram o respeito de fãs de todos os times e a idolatria da massa santista.

Irreverente e singular, hoje o jogador acumula conquistas e fãs pelos quatro cantos do mundo. E, como poucos atletas de sua geração, conseguiu levar para dentro do campo de futebol o fator emoção e trouxe à tona o verdadeiro sentido da palavra família e – sobretudo – PAI !
Nesse livro ilustrado, pai e filho recontam a trajetória do menino Juninho. Do trágico acidente aos quatro meses de idade, passando pela infância difícil, a lapidação do talento nas categorias de base do Santos, as rédeas curtas do pai, os bastidores do mundo da bola, o segundo não para um clube europeu em 2010, as emoções dos títulos e premiações conquistadas, a relação com Davi Lucca e, ainda, revelações inéditas sobre a transferência do jogador para o Barcelona e seus planos para o futuro.

Prefácio
Por Mauro Beting

Neymar Jr.,
Quando você foi campeão da Libertadores, no dia seguinte, meu pai, Joelmir Beting, então apresentador do Jornal da Band, molhou os ralos cabelos brancos para fazer um moicano igual ao seu. Quase apresentou o telejornal daquele jeito. E olha que ele era palmeirense...

Ele foi o melhor pai que um jornalista pode ser. E o melhor jornalista que um filho pode ter como pai.

Ele te adorava. Imagino como ele ficou lá em cima, três dias depois de partir desta vida, em novembro de 2012, ao ver o filho jornalista recebendo de você, no gramado da Vila Belmiro, uma placa em homenagem a ele. Por tudo que ele amava do futebol. Logo, por tudo que ele gostava do seu futebol. Como o Maracanã e o mundo viram na Copa das Confederações. Exatos 52 anos depois de meu pai ter dado a Pelé uma placa pelo gol que virou expressão de craque – Gol de Placa.

Como hoje, e por muito tempo, você será a melhor expressão de craque brasileiro. E mundial.
Confesso que não lembro o que você me falou naquele dia, Neymar Jr., na Vila. Confesso que não lembro o que falei a você no gramado quando recebi a placa que o Santos deu a meu saudoso pai.

Nunca me senti tão emocionado e honrado por representá-lo. Tanto que não me lembro das palavras daquele momento inesquecível.

Imagino o que Neymar pai sente a cada lance seu. Sou pai e filho de craques de outros campos. Meus pais e filhos são tudo. Nem imagino o que deve ser para um pai ter um filho que é o máximo no que faz. E vai ser muito mais.

Imagino o que Neymar filho sente por ter um pai craque como ele. Companheiro como raros. Amigo como poucos. Parceiro único.

Imagino o que Ivan Moré sentiu por ser um espectador privilegiado de uma tabelinha de craques. E parabenizo a amiga Marcia Batista por ter idealizado um projeto tão especial.

Não existe time melhor que nossa família. Todas elas. Mas poucas famílias no futebol jogaram tão bem juntas como a de Neymar, que é mais que pai, e Neymar Jr., que é mais que filho. Neymar que é o Espírito do Santos Futebol Clube.

Amém!

Apresentação
Por Ivan Moré

Conheci o Neymar Jr. Pouco depois da estreia dele, quando o time do Santos ainda era dirigido por Vanderlei Luxemburgo. Lembro-me perfeitamente daquele dia. Era um Palmeiras x Santos, na Vila Belmiro. Neymar Jr. havia feito o gol decisivo, com o pé esquerdo, na vitória de 2 a 1 do time da casa. Detalhe: no gol adversário estava Marcos (o Santo Palmeirense).

No segundo tempo, Neymar Jr. foi substituído. Eu pedi permissão ao treinador, fui até o banco de reservas, sentei-me ao lado do jogador e pedi a ele que retirasse a chuteira do pé esquerdo. O gesto serviria para eu elaborar meu texto de passagem (momento em que a imagem do repórter aparece na reportagem). Lembro-me do olhar do menino Neymar Jr., assustado e surpreso, mas que atendeu na hora ao meu pedido.

Começava ali uma relação amistosa e de muito respeito com a então promessa santista. Durante as primeiras conquistas de Neymar Jr. com a camisa do Santos, tive a chance de fazer algumas reportagens especiais com o craque. Na meteórica ascensão desse garoto iluminado há uma curiosidade. Ele jamais seria o que é se não tivesse por trás a figura do pai. E o legal disso tudo é que, relembrando o passado do pai, a história que vem à tona é algo que salta aos olhos, tantos foram os problemas, desafios e situações-limite que a “família Neymar” enfrentou. E depois de uma história tão rica, só é possível constatar o seguinte: na carreira da joia lapidada nas categorias de base do Santos, nada foi por acaso.

A ideia do livro é mostrar como foi a origem desse sucesso. Por qual motivo esse jovem de penteado exótico é hoje o maior nome do esporte brasileiro? De onde vem tanta luz? Tamanha energia?

Para responder essas perguntas, mesclamos os depoimentos de pai e filho. A ideia é entender o papel e a influência de cada um na vida do outro, e de que forma essas vidas conseguiram, numa simbiose perfeita, chegar a um reconhecimento mundial.

O talento de Neymar Jr. é algo fora do comum, mas poderia se perder no “meio futebol” se o jovem não fosse muito bem direcionado. E é exatamente aí que entra a figura do pai. Ao ler Neymar – Conversa entre pai e filho o leitor entenderá a base do sucesso desse gênio chamado Neymar Jr. e o futuro promissor que o aguarda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário