quarta-feira, 7 de novembro de 2012

O Palmeiras vai à guerra


Se dizem por aí que a “história ensina”, então palmeirenses de todos os cantos podem se inspirar em uma história real e espetacular ocorrida há exatos 70 anos !!! Embora a situação dramática do Palmeiras neste final de campeonato brasileiro seja completamente diferente àquela vivida no ano de 1942, o tal “espírito” encarnado por jogadores e torcedores de então podem servir, no mínimo, de consolo para os torcedores alviverdes do clube de Palestra Itália.

E é desse local, Palestra Itália que surge toda a história. Local, agora, porque em 1942 era o nome do Palmeiras, obrigado pelo governo federal, em uma verdadeira “caça às bruxas”, a trocar de nome por conta da II Guerra Mundial.

A história é tão fascinante que dois livros acabam de ser publicados. O primeiro tem o título que encerra a história em si: “Morre líder, nasce campeão!” (BB Editora) do escritor e pesquisador Fernando Galuppo. Se quisesse sobreviver o então Palestra Itália, líder do campeonato paulista daquele ano de 1942, era obrigado a trocar de nome. Fez. E escolheu um dia especial, o do jogo decisivo contra a forte equipe do São Paulo de Leônidas da Silva, o Diamante Negro, e companhia. Fez. E levou a melhor. É essa a razão do “...nasce campeão!”.

Outra obra espetacular que vai fundo na história acaba de ser lançada pela Editora Realejo. Mais um livro do jornalista Celso de Campos Jr, “1942 – O Palestra vai à guerra”, também autor da recente e polêmica biografia do ex-goleiro Marcos.

Confira agora a apresentação da obra feita pela editora:

“Todo brasileiro sabe que futebol, às vezes, é uma verdadeira guerra. Mas talvez poucos conheçam uma de suas mais históricas disputas que, no ano de 1942, transformou em campo de batalha o gramado do Pacaembu. Era a luta pelo título do Campeonato Paulista daquele ano entre Palmeiras e São Paulo, em plena Segunda Guerra Mundial.

Boatos, difamação, ardis e muita expectativa anteciparam a partida naquele 20 de setembro. Tudo porque o já tradicional time do Palestra Itália se viu acuado por uma guerra que não e
ra sua e acusações de traição à pátria brasileira.

Pela primeira vez contada sem a fantasia dos fatos que viraram lendas, a história desta impressionante partida é a inspiração para “1942 – O Palestra vai à guerra”, do jornalista Celso de Campos Jr., que a Realejo Editora acaba de lançar. Com um ousado projeto gráfico do designer Gustavo Piqueira, o livro parte da transformação do Palestra em Palmeiras para recriar o clima de uma das mais importantes e disputadas finais de campeonato que o Brasil já presenciou.

Ancorado em extensa e cuidadosa pesquisa histórica em jornais, revistas e almanaques da época, Celso de Campos Jr. conta apenas com fatos toda a epopeia do time “italiano” mais brasileiro de todos os tempos.

Da criação do parque Antarctica, passando pelas inimizades com Corinthians e São Paulo, contando com personagens tão ecléticos como o próprio Hitler ou o presidente norte-americano Roosevelt assim como Getúlio Vargas, Prestes Maia e até a própria crônica esportiva da época, o livro é uma viagem a São Paulo no tempo da Segunda Guerra, escrita com apuro e ilustrada com talento.

Vale a pena conferir a história do dia em que a guerra calçou chuteiras e foi a campo”.

SERVIÇO:

O lançamento acontece a partir das 18h30 do dia 13/11, no bar Posto 6, na Vila Madalena, em São Paulo.

Confira o “vídeobook” da obra:


Sobre Celso de Campos Jr.:

Celso de Campos Jr. nasceu em São Paulo em 1978.  Formado em Jornalismo pela Cásper Líbero e em História pela Universidade de São Paulo, é autor de Adoniran – uma biografia (Editora Globo) e Nada mais que a verdade: a extraordinária história do jornal Notícias Populares (Summus Editorial). No futebol é autor da biografia do ex-goleiro Marcos, do Palmeiras, “São Marcos de Palestra Itália”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário