domingo, 27 de maio de 2012

Profissão: Centroavante


Eles são os personagens centrais do espetáculo chamado futebol, pois se não cumprirem a missão que lhes foi dada em campo, são execrados pela torcida. Fazer gols é a missão de todo centroavante, o camisa 9, o homem gol. Pouco importa onde joga, mas quando veste a camisa 9, de qualquer time, seleção ou timinho de várzea, tornam-se seres especiais.

É assim que um dos maiores nomes da literatura brasileira, Luis Fernando Veríssimo, enxerga esses homens especiais. Em sua definição eles são: sombrios, tristes, raros, difíceis. Pelo menos, no tempo em que Veríssimo viu esses “homens raros” em campo...Pelo menos, na imaginação que só mesmo ele poderia ter...

Os centroavantes
Por Luis Fernando Veríssimo

Eles são difíceis, os centroavantes. Reúnem-se em lugares certos, em várias partes do mundo, mas não se olham nos olhos. Trocam lamúrias e reminiscências, como em qualquer confraria de especialistas, mas é como se estivessem sozinhos. De vez em quando levantam a cabeça e olham e voltam, à procura de um possível empresário ou de um fã antigo. Mas não se encaram. Sabem que a qualquer momento terão que trair o companheiro ao lado. Se lhes perguntarem: “Conhece um bom centroavante?”, terão que responder:

– Só conheço eu mesmo.

E se insistirem, “Me disserem que o Fulano ainda joga...”, responderão:

– Não joga, bebe muito e arrasta uma perna. De centroavante só conheço eu mesmo.

Eles são sombrios e tristes, os centroavantes.

Você os encontrará em velhas tascas do bairro Gótico em Barcelona depois de se acostumar com a escuridão. Em algumas esquinas de Milão, encolhidos do frio dentro das suas japonas. Em Chacarita. Na Cinelândia. Em Marselha, no restaurante de peixe do velho Renard, um centroavante que desistiu antes dos 36 porque perdeu um joelho.

– E o seu joelho, Renard?

O velho corso toma um gole de blanc.

– Ainda está rolando por um campo da Catalunha.
– Como é que foi, Renard?
– Um beque sem mãe.
– E onde está o beque, Renard?
– Junto da sua mãe.

Você os conhece de longe.

Centroavantes, toureadores velhos e mercenários, você os conhece de longe. São sobreviventes de profissão. Estiveram com a morte e voltaram, e têm as cicatrizes para provar. Restam poucos centroavantes no mundo. O jeito desconfiado, os gestos tensos, o cigarro nos dedos nervosos, os olhos cansados, você os conhece.

Os centroavantes só falam nos companheiros mortos ou nos que pararam, os outros são concorrentes. Centroavante bom e vivo só conheço eu mesmo. Eles fumam muito, os centroavantes. Mas cuidam para não tossir na frente do empresário.

– Com quantos anos você está?
– Vinte e sete.
– Você quer dizer 37.
– A bola não sabe a diferença.

Nos treinos tratam de brigar logo com o treinador, chutar a bola longe e sair de campo, senão não aguentariam. Eles sabem que o treinador os irá procurar depois no quarto do hotel e pedir perdão. São raros, os centroavantes.

– Você me insultou.
– Só disse que você estava muito parado.
– Meu pé conhece mais futebol do que você inteiro.
– Eu não treino. Eu jogo.
– Está certo.

São difíceis, os centroavantes.

Quando se reúnem, falam dos que morreram ou dos que pararam. Sem se olharem nos olhos.
Falam de Carrara, o Italiano Louco, que uma vez comeu um bandeirinha vivo e foi retirado de campo por um batalhão  de carabineri, ainda mastigando o pano da bandeira e ofendendo a arquibancada. Nenhum bandeirinha jamais viu Carrara em impedimento, depois disso.

Falam de Bahal, o Turco de olhos vermelhos, o peito de um touro e um dedão de dez centímetros em cada pé. Bahal, morto com uma adaga na nuca dentro da pequena área, na cobrança de um córner. Antes de morrer – mas isto já é lenda – teria feito o gol com uma lufada de sangue.

Falam de Lúcio, o Poeta, um brasileiro esguio com pomada no cabelo, outra história trágica. Lúcio tinha um chute mortal. Um dia errou a goleira, a bola subiu, venceu a cerca, venceu a arquibancada de São Januário, caiu na rua, acertou a cabeça de uma moça dentro de um Lincoln conversível – a cantora Rosa de Rose, o Rouxinol Louro – e a matou. Rosa era noiva de Lúcio, o caso emocionou o Brasil. Esperava o fim da partida para levá-lo ao Cassino da Urca. Lúcio enlouqueceu. Nunca mais jogou futebol. Hoje é funcionário do Maracanã e de vez em quando se distrai. Em vez do grande círculo, desenha com cal no gramado o nome de Rosa de Rose.

Estádio São Januário
Falam de Tamul, a Gazela Africana, rápido como o raio, que jogava descalço e mordia a trave sempre que perdia um gol. Tamul tinha os dentes esculpidos. Um era o Taj Mahal. O outro, a torre Eiffel. Um torto, bem na frente, era a torre de Pisa. Outro, o obelisco da Place Vendôme. O arco de Constantino.

Falam de McMoody, o Anão Escocês, que batia pênalti de cabeça e tinha placas de aço em vez de canelas.

Falam do argentino Lombroso, que chutou a cabeça do goleiro para dentro do gol. Não teria sido nada se ele não tivesse saído comemorando.

Falam de goleiro com desdém e de beques centrais só antes de cuspir. Os centroavantes tendem a engordar e a emagrecer como os outros respiram. E têm pesadelos. Sonham que a grande área é um pântano, que não conseguem pular, que a bola é de ferro e que o tempo passa.

São raros, os centroavantes.


Sobre Luis Fernando Veríssimo:

É gaúcho de Porto Alegre, filho do grande escritor Érico Veríssimo. É torcedor do Internacional de Porto Alegre. Tem dezenas de livros publicados e com o tema futebol é autor, entre outros, de O cachorro que jogava na ponta esquerda (Editora Rocco), Time dos Sonhos – Paixão, Poesia e Futebol (Editora Objetiva) e Internacional - Autobiografia de uma paixão (Ediouro). Para saber mais sobre Luis Fernando Veríssimo, acessar: http://www.releituras.com/lfverissimo_bio.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário