domingo, 1 de abril de 2012

O dia da mentira e o futebol


O Dia da Mentira é “comemorado” no Brasil no dia 1º de abril. Em países de língua espanhola o dia da mentira tem nome e dia diferente. Na Espanha, por exemplo, chama-se de “Dia dos Santos Inocentes”. A brincadeira, segundo fonte da enciclopédia wikipedia, teria surgido assim:

“Há muitas explicações para o 1º de abril ter se transformado no dia da mentira, dia das petas, dia dos tolos (de abril) ou dia dos bobos. Uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1º de abril.


Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries.

Em países de língua inglesa o dia da mentira costuma ser conhecido como April Fool's Day, "Dia dos Tolos (de abril)"; na Itália e na França ele é chamado respectivamente pesce d'aprile e poisson d'avril, literalmente "peixe de abril".


No Brasil, o primeiro de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou A Mentira, um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1828, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. A Mentira saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente.”

No futebol, o dia da mentira já teve momentos marcantes para serem recordados. Em 2012, um dos mais recente de todos, causou a maior “saia justa” entre torcedores do Corinthians e o apresentador do telejornal Globo Esporte.


Tiago Leifert passou o programa fazendo piadas sobre o Corinthians de Alagoas, da boa fase do Palmeiras, do Rio Grande do Norte, da dramática situação do Juventus, da Móoca e do clássico paulista entre São Caetano e São Bernardo.

Mas no final, a brincadeira, pelo menos para a imensa torcida corintiana, foi além da conta. Leifert encerrou o programa comemorando a data de um ano do título do Corinthians na Libertadores. 

Em segundos as redes sociais estavam entupidas de gente protestando, corintianos é claro.


Mas no futebol brasileiro (e talvez mundial), não houve até hoje episódio tão marcante com o que foi “armado” pelo dirigente Paulo Machado de Carvalho. Justo ele, um homem sério, conhecido pela disciplina e organização em tudo que fazia. Além de dono de empresas de comunicação, Paulo Machado de Carvalho era também dirigente esportivo e foi um dos grandes responsáveis pela conquista do primeiro título mundial brasileiro em Copas do Mundo.


Só que a primeira Copa chegaria sete anos depois do dia da mentira que entrou para a história do futebol mundial. É o que mostra em detalhes, Edileusa Soares em seu livro “A bola no ar – O rádio esportivo em São Paulo”, uma obra essencial para quem quiser aprender sobre as origens do jornalismo esportivo brasileiro. É lá que encontramos os detalhes para o dia da mentira criado por Paulo Machado de Carvalho. 

O ano era 1951 e o São Paulo havia acabado de perder o título da competição para o Palmeiras e, por tabela, o tricampeonato paulista. Para esquecer a derrota, o São Paulo teria ido para a Europa excursionar. Para promover um dos jogos dessa excursão, a Rádio Panamericana publicou em um jornal um anúncio chamando o público para sintonizar a emissora a partir das 12h30 e ouvir o jogo entre São Paulo e Milan, “direto de Milão”. Mas tudo não passava de uma grande armação. O fato gerou várias versões de como tudo aconteceu, mas que aconteceu...aconteceu...:

Hélio Ansaldo

“A Rádio Panamericana colocou no ar a narração forjada, causando desespero na torcida são-paulina. Segundo a “transmissão”, o juiz roubava descaradamente para os italianos que “jogavam” pesado, agredindo os brasileiros. Hélio Ansaldo frisa: “Foi criado todo um clima contra o Milan e contra o juiz, e esse clima foi o que fez com que o São Paulo estivesse perdendo de 4 a 0”.

Aí “caiu a linha”. Muitos desligaram o rádio antes do final da transmissão fictícia. Já no Bixiga, bairro de imigrantes italianos, os torcedores comemoraram a vitória do Milan.

Geraldo José de Almeida

O segredo da gravação fora tão bem guardado que nem Consuelo Viegas de Almeida, esposa de Geraldo José, sabia da verdade. Ela nos contou que um irmão do locutor, Sebastião José de Almeida, são-paulino roxo, até se sentiu mal durante a irradiação.

Aurélio Campos, que estava no estádio do Pacaembu narrando um jogo pelo Campeonato Paulista por uma emissora concorrente, protestou, exaltado, e disse que o governo, os deputados, “seja lá quem fosse”, deveriam tomar providências, por ser um absurdo o São Paulo ter se submetido a esse vexame de apanhar de 4 x 0, desmoralizando o futebol brasileiro.


Manchete do New York Times sobre
a história de Orson Welles.

Paulo Machado de Carvalho Filho assinala que no dia seguinte alguns jornais brasileiros, principalmente de outros estados, publicaram matéria “como se o jogo fictício realmente tivesse havido”. Com o cuidado de guardar as devidas proporções, ele compara o episódio à falsa invasão dos Estados Unidos pelos marcianos, programa de rádio de Orson Welles, em 1938, que provocou pânico nos norte-americanos.

Quando a Panamericana informou que se tratava de uma brincadeira do “Dia da Mentira”, os jornais se dividiram: os que deram o resultado criticaram a emissora; os que não deram o resultado divertiram-se com a “barriga” dos concorrentes.

Paulo Machado de Carvalho

Quatro dias depois o Diário Popular estampou manchete de sua página de esportes: “Agora, não é Primeiro de Abril…” o jornal noticiava que o São Paulo perdera para a seleção da cidade de Bruxelas por 2 x 1.

A brincadeira da Emissora de Esportes serviu para comprovar que depois do rádio ter iniciado as transmissões diretas, os jornais passaram a utilizar as informações radiofônicas, numa inversão da época da “gilete press”.

Fonte: “A bola no ar - O Rádio Esportivo em São Paulo”


A notícia mais falsamente divulgada no dia da mentira sempre foi o da contratação de craques pelas equipes. Já tivemos Maradona, no Palmeiras e até Zico no Vasco da Gama, o que acabou inspirando até o tremendão Erasmo Carlos a compor sua famosa canção, “Pega na Mentira”. Logo na primeira rima ele diz: “Zico tá no Vasco, com Pelé... Minas importou do Rio a maré”.

Pelo mundo, o dia da mentira, comemorado em outra data, também gerou casos semelhantes. Maradona, por exemplo, já foi contratado como técnico da seleção do Vietnã, nas páginas dos principais jornais vietnamitas.

O goleiro Iker Casillas, no final do ano passado, também entrou no pique da mentira no dia 28 de dezembro, data em que os espanhóis comemoram o “Dia dos Santos Inocentes”. Na página que mantém no Facebook o goleiro anunciou sua aposentadoria. A brincadeira deu o que falar. Em uma hora surgiram mais de 6.500 comentários na página e quase mil pessoas compartilharam a mentira.

No México, o jornal “Récord” chegou a estampar em sua primeira página a contratação de Ronaldinho Gaúcho. “Bomba histórica!”, dizia a manchete.

E outra história relembrada pelo interessante site Allejo (http://www.allejo.com.br/tag/dia-da-mentira/) envolve o ex-lateral-direito Maurinho. Um primeiro de abril feito com o coro de milhares de torcedores em pleno Maracanã.


No dia 1º de abril do ano 2000, a torcida do Flamengo começou a cantar: 

ão ão ão Maurinho é seleção”. 

Agradecido, Maurinho não teve dúvida de acenar em agradecimento à torcida, pelo menos até ouvir o refrão que explicava tudo: 

“il il il, é primeiro de abril”.

Um comentário:

  1. Anônimo21:38

    eu queria ver o video da torcida do flamengo humilhando o lateral direito maurinho com aquele grito inesquecivel, ão ão ão maurinho é seleção , iu iu iu, é 1º de abril, kkkkkkk .

    OBRIGADO !

    Élder Moraes
    email: elder.moraes2@hotmail.com

    ResponderExcluir