sábado, 17 de março de 2012

Um expresso chamado vitória



Atenção amantes da literatura esportiva. Mais um livro indispensável para sua biblioteca. Você não é vascaíno? Não importa. O livro “Um expresso chamado vitória” (iVentura,2012) é um importante documento histórico de uma equipe que encantou torcedores de todo o país.

Para obter mais informações, como as que o Literatura na Arquibancada apresenta abaixo, recomendamos acessar a página na web (muito boa por sinal, quiçá todas as editoras façam o mesmo em seus lançamentos) sobre o livro:

UM EXPRESSO CHAMADO VITÓRIA

Em 2012, mais precisamente no mês de março, completaram-se 64 anos de um brilhante triunfo do futebol brasileiro: o Vasco da Gama venceu o Sul-Americano de clubes campeões em Santiago, no Chile.

Mas o que sabemos sobre esse time? Que ele foi campeão carioca invicto em 1945, 1947 e 1949? Que foi base da seleção vice-campeã mundial na Copa em 1950? Que foi o primeiro campeão do Maracanã deste mesmo ano? Tudo isso é verdade, mas também é muito pouco para quem foi o melhor time que a cidade do Rio de Janeiro já viu nascer. Para muitos jornalistas especializados e pesquisadores do tema, um conjunto só superado no Brasil pelo Santos na Era Pelé. Definitivamente, não é pouco.

Contar a trajetória deste fabuloso time resgata a história de craques como Barbosa, Rafagnelli, Danilo, Ademir, Ipojucan, Heleno, Jair Rosa Pinto e Tesourinha. Oferece também aos aficionados pelo velho esporte bretão a oportunidade de saber que nesta época, com este time, deram-se início as principais mudanças táticas que levariam o nosso país a se tornar o melhor do mundo.


Alexandre Mesquita e Jefferson Almeida escreveramum livro que já pode ser considerado um clássicoTorcedor ou não do Vasco da Gama, você vai reconhecer, ao terminar a leitura deste livro, que o Expresso Vitória foi um dos times que pavimentaram o caminho para que o Brasil conquistasse cinco campeonatos mundiais. Nas palavras dos autores, "o surgimento deste fantástico time, que, por quase uma década, ficou na supremacia do futebol brasileiro e que, durante este período (os anos 40), encantou estádios e trouxe para o Brasil o primeiro título do futebol profissional conquistado em terras estrangeiras. O Sul-Americano de Clubes Campeões, vencido pelo Vasco em 1948". 

Dizem ainda os autores: "Contar a trajetória desse fabuloso time resgata a história de craques como Barbosa, Rafagnelli, Danilo, Ademir, Ipojucan, Heleno, Jair Rosa Pinto e Tesourinha. Oferece também aos aficionados pelo velho esporte bretão a oportunidade de saber que naquela época, com esse time, deu-se início às principais mudanças táticas que levariam o nosso país a se tornar o melhor do mundo". 

Nas palavras do Presidente de Honra do Clube, Antônio Soares Calçada, "a era do Expresso da Vitória, que se tornou uma marca, foi e será sempre uma inspiração para todos nós vascaínos (...) e que ajudou o Vasco da Gama a consolidar sua posição de um dos maiores clubes do futebol brasileiro e mundial". 

Fartamente ilustrado, "Um Expresso Chamado Vitória" apresenta as fichas detalhadas dos jogos disputados pelo time, bem como as tabelas dos campeonatos disputados. Um precioso e detalhado levantamento histórico e uma narrativa que vai prender a sua atenção desde a primeira página. 

No formato16x23 cm, o livro tem 254 páginas de puro prazer para todos os amantes do futebol. 


Sobre os autores:


Alexandre Mesquita nasceu em 1970 e frequenta estádios desde os 4 anos. Recentemente, assisitiu su milésimo jogo em arquibancadas cariocas. Desde 1997 realiza pesquisas sobre o tema futebol. Desde então, já escreveu três livros: "Clássico Vovô", "Um Expresso Chamado Vitória" e "Almanaque dos Velhos Brasileirões".

Jefferson Almeida nasceu em 1973 e formou-se em Jornalismo na PUC-RJ. Já atuou como repórter de campo e como colaborador de alguns programas esportivos. É colecionador, pesquisador e autor dos livros "Clássico Vovô", "Um Expresso Chamado Vitória" e "Almanaque dos Velhos Brasileirões". 

Um comentário:

  1. Anônimo10:13

    O livro é realmente muito bom. Comprei a primeira edição e vale a pena. É indispensável que todos os vascaínos leiam. Os autores estão de parabéns.
    Jonas Barreto, Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir