terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Celebrando Garrincha


Dia 20 de janeiro, a próxima sexta-feira, é um dia triste para os amantes do futebol brasileiro. Há 29 anos, o eterno ídolo do futebol brasileiro, Garrincha, nos deixava. Terminava para o homem simples, Manoel dos Santos, uma jornada feita de fama e tragédia. O alcoolismo acabou devastando a vida de mais um brasileiro.

Garrincha morreu quando tinha apenas 49 anos, em 1983. Dando sequência a pequena série que o Literatura na Arquibancada começou a apresentar sobre o jogador que era “a alegria do povo”, um poema pouco conhecido escrito por um craque da literatura.

Aníbal Beça, grande poeta amazonense, driblou como Mané Garrincha as palavras, tecendo versos simples, palavras que se encaixam de maneira perfeita com o estilo ágil do craque da perna e vida tortas.

Celebrando Garrincha, o santo inventor da ginga

[Anibal Beça Para Antonio Carlos Secchin]


Frente a frente
              4 colunas
de dois templos em ebulição:
        raios arqueados
             oscilam
                    ossos
                      músculos
                              nervos
                   pernas em balanço:


              arquitetura móvel
      para o pêndulo da sur-
                 presa.
        Não se sabe ao certo
- dono de um mundo em rotação
                          verde
rolado no plano pleno de desejos -
               a direção
    daquele equilibrando a esfera
                  a fera
                  perseguida
          Se para a direita
                             ou
                       para a esquerda
             se para trás
                     ou pelo vão
                             que se arre-
                                      ganha


                                   à frente
  (abóbada de igreja livre
para a passagem do andor
  com seu santo rotundo)
       No frêmito feroz
                   olhos vivos e
                    lentes onduladas
      se congelam no cristal
         da ânsia espectável
                  Súbito
                    pára
                          e
                       dispara
                  navegante da luz
                em direção ao corpo
                                         só-
                lido
         num fio evanescente
   de malabarismo alumbrado
      o espectro do clown
                            Parte
               com ela
                    a esfera
                           a fera


     aos olhos de espanto
   de feras de outra esfera:
                                    Vai
                            Não        Vai
                                    Foi

Para saber mais sobre Aníbal Beça:
Trabalhou como repórter, redator e editor, em todos os jornais de Manaus. Foi diretor de produção da TV Cultura do Amazonas, Conselheiro de Cultura, consultor da Secretaria de Cultura do Amazonas. Vice-presidente da UBE-AM União Brasileira de Escritores, presidente da ONG “Gens da Selva”, onde exercia o cargo de vice-presidente, bem como de presidente do Sindicato de Escritores do Estado do Amazonas e presidente do Conselho Municipal de Cultura era membro da Academia Amazonense de Letras.




Um comentário:

  1. O poeta Aníbal Beça descreve em versos o que Gérson Canhotinha de Ouro descreve em prosa. Os espaços que Garrincha criava para executar a sua coreografia. Genial!

    ResponderExcluir