sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O "passarinho" de Chico Buarque


O grande barato do futebol é esse: como as histórias surgem do nada. Final de ano, casa da sogra, poucas horas para a ceia de Natal começar a rolar e todos prontos para se empanturrarem de comida e bebida, vem o papo do cunhado, Marcelo Góes e do sogro, Ludenbergue Góes: “Achei sensacional a história do Futebol de Tucumã que você publicou no blog...Tudo bem, essa história é boa, mas não tem igual a que li sobre o Passarinho do Chico”. No mesmo instante retruquei: “Passarinho? Como assim? O que isso tem a ver com os botões de Tucumã?”. E lá se foi meia hora de uma deliciosa conversa. Eles (cunhado e sogro), lembravam-se de uma história narrada pelo craque da literatura, Mário Prata, sobre o tal “Passarinho do Chico Buarque”. Só mesmo lendo essa preciosidade para entender e se divertir...

Mário Prata, ao lado de Chico e Tarso de Castro.
Crédito: acervo pessoal Mário Prata, www.marioprataonline.com.br

O passarinho do Formiga de Chico Buarque
Por Mário Prata

Éramos três do Estadão lá em Paris, sem contar o meu querido Reali Jr: o Chico Buarque, o Mateus Shirts e eu. Os três, cronicando. Para evitar que a gente escrevesse a mesma coisa, driblasse o mesmo tema, trocávamos fax (o compositor é contra e-mail).

Chico Buarque jogando botão com Vinicius de Morais.
Crédito: www.futmesabrasil.com
No primeiro sábado, antes de sair a primeira dominical do Chico, chega o fax: "Com Os Meus Botões". Um poema, como me diria depois o flamenguista Aluizio Maranhão, nosso redator-chefe. Realmente um poema. Em Paris, entre os colegas jornalistas, não se falava noutra coisa.
Leio orgulhoso. Afinal, fui eu quem convenceu o poeta a escrever crônicas na Copa. Tinha certeza que ia dar samba. A crônica falava dos times de botão do Chico e dos que todos nós tínhamos nos anos 50 e 60, pedaços de plásticos concentrados dentro de uma caixa de catupiri, com direito a talco e flanelinha. E todos botões tinham nome, é claro. Mas tinha um pedaço na crônica:

"Certa vez fui apresentado a um antigo centromédio do Santos, o Formiga. Depois de um breve diálogo, o assunto esgotado, sem saber por que continuei a encará-lo. O silêncio se prolongava, incômodo, e ainda encasquetei de colocar a mão no ombro do Formiga. Com o polegar, comecei a pressionar de leve a sua clavícula, e me lembro que ele ficou um pouco vermelho. Então me dei conta de que, pela primeira vez na vida, conversava pessoalmente com um botão".

Chico Formiga, ex-jogador do Santos.
Muito bonito. Só que eu gritei:

- Passarinho! Isso é passarinho do Chico!

- O quê que é passarinho?, me perguntou o Mateus abrindo uma garrafa de uísque com os dentes.

- O dedão na clavícula é passarinho!!!

Deixa eu explicar o que é um passarinho. Em 54, o Nelson Rodrigues escreveu uma crônica (acho que na Última Hora) dizendo que a imprensa estava muito chata por falta de passarinhos. E explicava que antigamente era diferente. Que hoje (54) não se mentia mais. Uma vez houve um incêndio na Lapa, mandaram um repórter para lá e reservaram a primeira página. O repórter voltou desanimado: apagaram o incêndio com um regador de jardim. Mas não aconteceu nada que dê notícias? Bem, disse o repórter, tinha um passarinho dentro de uma gaiola muito nervoso. Foi o bastante: "Fogo Ameaça Fauna na Lapa".

Era isso: o Nelson estava dizendo que os jornalistas brasileiros não mais aumentavam a notícia, não criavam nenhum passarinho. E nas nossas conversas inter-cronistas a palavra passarinho é muito corriqueira. Eu, por exemplo, me considero um passarinheiro de marca maior.

Chico Formiga, ex-jogador e técnico do Santos.
Então, pra mim, o dedão na clavícula do Formiga era passarinho. Estava na cara que era. Basta conhecer um pouquinho o Chico. Aliás, um bom, um excelente passarinho. Mas, passarinho.
Passo um fax para a casa do Chico lá em Marais. Não deu dois minutos, toca o telefone. Era ele. Indignado. Não fala oi, nem nada. Raivoso, atacando e se defendendo ao mesmo tempo, parecia a seleção da Nigéria em seus desengonçados momentos de glória. Ele estava mesmo bravo comigo:

- O dedão na clavícula é passarinho? O dedão na clavícula do Formiga é passarinho?


Chico Buarque jogando botão com Vinicius de Morais.
Crédito: www.futmesabrasil.com

Nunca tinha visto o cara assim. Dei até um passo atrás lá no meu quarto. Fiquei sem jeito. Achei que eu tinha pegado pesado com ele. Afinal, a primeira crônica dele e eu dizendo que o dedão na clavícula era passarinho? Mas fiquei na minha:

- Desculpa lá, mas é. Você vai me desculpar muito, tá tudo muito bom, muito bonito mesmo, um poema e não sei mais o que. Até você ficar sem palavras olhando para a cara do Formiga, tudo bem. Colocar a mão no ombro, tudo bem. Mas jogar botão com a clavícula do Formiga, pra mim é passarinho. Um excelente passarinho, diga-se de passagem.

- Você acha mesmo que o dedão na clavícula do Formiga é passarinho?

Eu achava mesmo:

- Acho!

Ele abre uma risada contagiante e mal consegue dizer, triunfal:

- Cara, eu nunca vi o Formiga na minha vida!!!

Fonte:

Para saber mais sobre Mário Prata, acessar seu site fantástico, repleto de textos do craque da literatura, do cinema, do teatro e da televisão: http://www.marioprataonline.com.br/

Para quem não sabe, Mário é ligado em futebol, torcedor do Linense, clube do interior paulista, terra onde viveu a infância e a juventude, nos anos 1950 e 1960.






Time do Linense, 1953.
Crédito: www.mariopratoonline.com.br
Na capital paulista, palmeirense, tendo inclusive publicado o livro “Palmeiras, um caso de amor” (Objetiva, 2002)

Crédito fotos: site do autor www.mariopratoonline.com.br  

Nenhum comentário:

Postar um comentário