domingo, 27 de novembro de 2011

Quando os olhos não deixam ver o futebol


“Futebol de ouvido”, uma crônica do poeta mineiro Ricardo Aleixo, mostra como o futebol tem tantas maneiras de ser “sentido”. Ainda mais para ele que, ainda jovem, perdeu praticamente toda a visão. Tudo aconteceu em 1978 e desde lá sua relação e impressão do futebol mudou, incrivelmente, para melhor.

O texto de Ricardo Aleixo faz parte de uma coletânea, “A bola entre palavras”, organizada pelo madrilenho Adolfo Montejo Navas, que mora no Brasil há 22 anos e que chegou a jogar pelo Real Madrid quando garoto (1967-1969).

 “A bola entre as palavras”, como o próprio organizador diz na apresentação da obra é “uma reunião articulada de escritores, críticos, artistas plásticos, gráficos e tradutores”. Adolfo Navas reuniu textos de um time de primeira: Cristovão Tezza, Eduardo Coimbra, Lula Vanderley, Manuel da Costa Pinto, Martín Kohan, Reynaldo Damazio, Ricardo Aleixo, Teixeira Coelho, Vanderley Mendonça, Wolfgang Bock e Yamandú Canosa.

Futebol de ouvido

A oralidade sempre foi muito importante para mim. E a visualidade também. Minha mãe me contava que desde pequeno, antes mesmo de aprender a ler, eu gostava de recortar revistas e fazer pequenas colagens e montagens, movido pelo prazer de jogar com as imagens e as letras. Já por volta dos 14 anos, no colégio, comecei a me interessar pelas artes plásticas, sem contudo considerar-me nem mesmo um candidato a artista. Tal coisa nunca me passou pela cabeça. Perto dos 17 anos foi que, sabe-se lá por qual motivo, escrevi uma fornada de poemas e compus minha primeira canção. Nessa época, com efeito, o âmbito artístico que mais me interessava era, de longe, o futebol.

Poema-obra de Ricardo Aleixo.
Eu comecei a jogar bola ali pelos onze anos, e o aprendizado conformou, também, se posso dizer assim, minhas primeiras lições de poética. Outra vez comecei pela oralidade. É que, em nossa casa, ouvíamos muito as transmissões radiofônicas de futebol. Porque minha família era muito pobre, e as entradas para as partidas eram muito caras. Agora veja: o futebol entrou em minha vida não exatamente como um esporte, mas como uma prática narrativa, destacando-se, aqui, o fato de que no Brasil os locutores de futebol são chamados de narradores – uma impropriedade, uma vez que só se pode narrar o que efetivamente já ocorreu, não é verdade? Não sou o único a saber o quanto é impressionante o contraste entre o jogo real, visto na televisão, que é frio, distante, e sua “narração” por meio do rádio, que é ardente, fabulada – quando não fabulosa, capaz de abrir para o ouvinte novos planos perceptivos, em relação ao que se passa no gramado.

O certo é que tudo se transformou para mim quando ouvi, pela primeira vez, a “narração” de um jogo do Palmeiras. O locutor falava rápido, muito rápido, rapidíssimo. Bastava, no entanto, que Ademir da Guia, o camisa 10, assumisse a posse de bola para que a transmissão se desacelerasse, ou melhor, se tornasse cadenciada. Ainda me lembro das palavras do locutor/narrador quando isso acontecia: “Ademir, o filho do Divino Mestre!”, cada sílaba escandida solenemente.
Meu pai me disse, mais de uma vez, porque o alegrava falar desse assunto, que o grande craque palmeirense era filho de Domingos da Guia, considerado o criador de um estilo de jogo a que, no Brasil, damos o nome de “clássico”. Era, o futebol da família Da Guia, considerado elegante, apolíneo, em oposição ao estilo dionisíaco, mais baseado na força, ou, ainda – casos bem raros - , no virtuosismo dos grandes dribladores. O estilo de Ademir sempre fascinou os poetas: Décio Pignatari o chamou, numa crônica, de “Admirável”, e João Cabral lhe dedicou um belíssimo poema.

A mim, também, essa alternância de ritmos ao longo da partida parecia fascinante. Para quem, como eu, acompanhava o jogo pelo rádio – não tínhamos TV em casa -, a “narração” sugeria uma música plena de informação verbal. Um dia, tive a sorte de adquirir um exemplar da revista Placar, na qual constava uma sequência de fotos de Ademir: ele amortece a bola no peito, ela pousa suavemente no gramado e os dois seguem, como que atados um ao outro. Bom, recortei as fotos e fui com elas para um dos muitos terrenos baldios que havia, na época, perto da minha casa, na periferia de Belo Horizonte. Gastava horas e horas naquilo.
Como resultado, o futebol se transformou na minha grande aventura estético-existencial de todos os dias, até os 18 anos, quando, já indeciso entre a arte e o futebol, fui atingido no olho direito por uma bolada – um “pombo sem asas”, como se diz popularmente -, numa daquelas reles peladas que, de acordo com Nelson Rodrigues, podem ser “de uma complexidade shakespeareana”. Perdi parte da visão, depois de 5 cirurgias tão invasivas e dolorosas quanto inúteis, mas nem isso apaga a maravilha que era tentar ser, naqueles primeiros anos da década de 1970, um aprendiz de poeta-camisa 10.





Sobre Ricardo Aleixo:
Ricardo Aleixo, nasceu em 1960, em Belo Horizonte, Minas Gerais. É torcedor do América mineiro. Tema recorrente em sua obra poética, o futebol foi sua mais prazerosa atividade até 1978, quando foi atingido no olho direito por uma bolada que lhe roubou quase totalmente a visão. Desde 2006 é professor de Design Sonoro na Universidade Fumec. É poeta, compositor, cantor e performador. Ensaísta, artista visual e sonoro. Consultor para projetos editoriais em mídia impressa e eletrônica. Co-curador da ZIP/"Zona de Invenç˜ao Poesia &", ao lado de Chico de Paula. Co-editor da “Coleção Elixir”, da Tipografia do Zé, junto com Flávio Vignoli. Publicou os livros “Festim” (1992), “A roda do mundo” (1996 e 2004, com Edimilson de Almeida Pereira), “Quem faz o quê? (1999), “Trívio” (2001), “A aranha Ariadne” (2003), “Máquina zero” (2004), “Céu inteiro” (2008) e “Modelos vivos” (2010). Prêmios e outras distinções: “Prêmio Literatura para todos” (categoria Poesia, 2010); “Prêmio Bonsucesso” (categorias Melhor espetáculo e Melhor trilha sonora, para “Quilombos urbanos”, da Cia. SeráQuê?, 2000); “Bolsa para escritores com obras em fase de conclusão” (Fundação Biblioteca Nacional, 2004, com o projeto do livro de ensaios “Palavras a olhos vendo: Escritos sobre escritas”, inédito); “Bolsa Petrobras Cultural”, com o projeto do livro de poemas “Modelos vivos”; inclusão dos livros “Trívio” e “A roda do mundo”, respectivamente, nos vestibulares da UNI-BH, de 2002, e da UFMG, de 2004.

Seu blog:

Nenhum comentário:

Postar um comentário