sexta-feira, 4 de novembro de 2011

A Anatomia do Gol


Antonio Lizárraga

Literatura na Arquibancada recupera agora um artigo publicado em 1994, pela Revista USP – Dossiê Futebol, sobre dois gênios, um da poesia e outro da pintura, da escultura e das artes gráficas. Haroldo de Campos, brasileiro; e Antonio Lizárraga, argentino; ambos já falecidos, o poeta em 2003, Lizárraga, em 2009. Juntos, transformam a literatura e o futebol em verdadeiras obras de arte. Haroldo escreve sobre o amigo artista plástico, mas acaba deixando para posteridade um documento precioso de sua criação poética raramente vista sobre o tema futebol.

Haroldo de Campos
Para saber mais sobre Antonio Lizárraga, acessar:
Para saber mais sobre Haroldo de Campos, acessar:


Anatomia do Gol

Por Regina Silveira

Antonio Lizárraga nasceu em Buenos Aires em 1924 e estava radicado no Brasil desde 1956, tendo se naturalizado cidadão brasileiro. No primeiro time da arte abstrata desde os anos 70, Lizárraga começou como desenhista, ilustrador de jornais e designer gráfico. Exerce privilegiado senso de construção formal tanto na pintura como na escultura e na intersecção criativa dessas duas áreas. Participou de quatro bienais internacionais de São Paulo, duas delas com salas especiais. Desde 1967 era presença constante no Panorama de Arte Contemporânea do Museu de Arte Moderna de São Paulo. (...) O artista, conforme a crítica de arte Angélica de Moraes, de O Estado de S. Paulo, “consegue a proeza rara de, há mais de três décadas, estar sempre renovando sua produção dentro do mesmo universo de problemas formais”. Angélica diz também que na arte de Lizárraga “não há repetição de ideias mas aprofundamento de questões. Sua linguagem nasce da confluência da abstração geométrica com o minimalismo, mas segue trajetória própria. Isso envolve o sábio uso da cor como volume virtual e a ordenação de elementos plásticos segundo um ritmo musical que ele, adepto de jazz, credita ao be-bop. Nós preferimos creditá-lo a uma afiada compreensão das potencialidades oferecidas por uma simples linha e à exploração sensível do imenso espectro tonal existente nos pigmentos.”

Anatomia do Gol
Haroldo de Campos

ferrolho suíço
jogar um                            
jogo                                                                                    
é como                                                                              
jogar o jogo                                                     
da pintura ou                                   
do poema                                                                                        
                                                                                                             
jogar o jogo                      
do poema                                                        
(ou da pintura)                                                               
é como                                                                              
jogar qualquer                                                                               
jogo                                                                    
                                                                                             
as mãos jogam
cartas ou                                                                           
basquete                                                                          
na                                                                                        
mesa ou na                                                                      
quadra                                
os pés jogam                   
bola                                     
no                                         
campo ou na                    
praia                                    
                                              
mas quem joga
mesmo é o                       
cérebro                                              
suas bossas e                   
cerebelo                            
seus lobos:                       
um jogo de luz                
sem peso                          
que faz passar por
um triz                                
por um cabelo                 
ou acertar                         
em cheio:                          
mão de baralho                              
plena
ou pé no tiro
certeiro
retranca aberta
antonio
lizárraga joga
um jogo de
cartas marcadas
um jogo onde tudo joga

um futebol de papel
com peças de diamante
triângulos
setas
arestas
acuando o círculo
migrante
dábliu-eme
retranca aberta
dábliu-eme
pelo meio
ferrolho suíço
casados contra solteiros
ponta recuado
overlapping
pelas pontas
triangulagem
carrossel holandês
quadrado mágico
pelo meio
chegados neste quadrado
a gente pára e medida:
se o círculo ficou acuado
se pensa como o estagirita
ou se ainda foge  -->
evasivo -->
perseguido por sagitas -->

o que se vê é o centro:
um triângulo ^ uma tríade
(como charles sanders peirce
gostava de ver com a mente)
toda de branco o habita 
ponta recuado
é o uno posto no trino?
é o primeiro
concluso no seu
terceiro?
são as de Pitágoras
últimas categorias
primevas?

no sei não sabemos
por mais
que a gente dê tratos
à bola
ninguém atinge essa
meta (sol)

onde se exaure a pintura
e o poema:
sede secreta
(gol)

Nenhum comentário:

Postar um comentário