quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Imperdível





Por Ronaldo Helal
Fonte: http://blogdojuca.uol.com.br/2011/10/25320/


A literatura acadêmica sobre o futebol brasileiro começou a se constituir no Brasil alguns anos após a publicação do livro Universo do Futebol: esporte e sociedade brasileira, organizado por Roberto DaMatta e publicado em 1982.
Até aquele momento, os estudos eram escassos e havia uma tendência a se utilizar uma perspectiva “apocalíptica” (nos termos de Umberto Eco), influenciada pelo marxismo, que considerava o esporte de massa uma poderosa força de alienação dos dominados.
Mais adiante, a perspectiva apocalíptica deu lugar a outra que pretendeu entender o fenômeno esportivo como expressão da cultura, como uma forma de se entender melhor a sociedade em que vivemos.
Ainda naquele período, era comum que os escritos sobre a temática lamentassem o descaso das ciências sociais sobre o futebol, um fenômeno tão abrangente no país.
Hoje podemos dizer que o descaso inexiste e que proliferam estudos e grupos de trabalhos em congressos científicos que tratam do tema.
As razões alinhavadas justificam o título escolhido: Futebol, Jornalismo e Ciências Sociais: interações.
Consideramos que o esporte, e especialmente o futebol, em suas variadas dimensões, hoje interage como um parceiro que gera questões significativas para as ciências sociais.
De fato, o campo cresceu e foi se consolidando como importante área de estudos acadêmicos.
Na Faculdade de Comunicação Social da Uerj, Ronaldo Helal e Hugo Lovisolo organizaram o grupo de pesquisa “Esporte e Cultura”, cadastrado no CNPq desde 1998.
Em 2001, publicamos, junto com Antonio Jorge Soares, membro atuante do grupo e, uma vez mais coautor deste livro, A Invenção do País do Futebol, contendo artigos dos pesquisadores “Esporte e Cultura”.
A Invenção do País do Futebol teve, para nossa alegria, expressiva repercussão nos estudos que lidavam com a historiografia do futebol brasileiro, principalmente por ousar debater sobre um dos cânones da simbologia do futebol brasileiro, o consagrado livro de Mário Filho, O Negro no Futebol Brasileiro.
Quase uma década após a publicação de A Invenção do País do Futebol, continuamos na linha de debater e questionar “verdades construídas”.
Se já não apresentamos a evidente heterogeneidade de antes é porque estamos continuamente refinando nossos argumentos.
Ainda que os pontos de convergência superem em muitos os de divergência, seguimos buscando o entendimento dos processos que levam à construções mitológicas que surgem em torno do futebol brasileiro.
Invariavelmente esta busca tende a desconstruir as verdades do senso comum e gera polêmica. Se, por um lado, fazemos, muitas vezes, o papel de destruidores dos mitos mais prazerosos dos brasileiros, por outro, estamos convencidos de que este mesmo papel contribui para o avanço acadêmico do campo.
Os artigos reunidos neste livro dão igualmente prova da força e da amplitude do campo (sem duplo sentido), além de demonstrarem fôlego para debates e questionamentos acerca dos argumentos apresentados. Mais do que certezas absolutas, nossas certezas podem ser provisórias, desde que argumentos contrários sejam apresentados com evidências empíricas.
O leitor vai encontrar aqui estudos sobre os seguintes temas: a)uma revisão geral, e crítica, da literatura do campo acadêmico sobre o futebol;
b) análises sobre a construção do estilo brasileiro de jogar o futebol e de seus principais expoentes, como Garrincha;
c) uma análise de material jornalístico sobre a reconstrução da memória da partida entre Brasil e Uruguai na final da Copa do Mundo de 1950, mostrando como o futebol pode ser abordado e reconfigurado simbolicamente e como ele está presente no senso comum e na memória coletiva das nações;
d)uma discussão sobre as narrativas da imprensa argentina sobre a seleção brasileira durante a Copa de 2006, em uma tentativa de se entender o processo de acirramento das rivalidades entre os vizinhos nas últimas décadas;
e)uma análise comparativa sobre as figuras públicas de Pelé e Maradona e do sentido da construção sobre quem foi o melhor da história;
f)uma investigação etnográfica em bares onde são transmitidas partidas de futebol, buscando interpretar as lógicas relacionadas do compartilhar coletivo do acesso ao mesmo produto de mídia – o jogo de futebol – nesses ambientes de frequência predominantemente masculina;
g) uma discussão da importância social do futebol, tendo como base a recepção coletiva dos jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo;
e finalmente,
h) uma investigação do papel do futebol como um dos fatores de integração nacional brasileira no século XXI e de como este mesmo papel vem declinando nas últimas décadas.
Desejamos que a produtiva interação das ciências sociais com o futebol continue ativa e de que novos “profissionais” ou “peladeiros” se incorporem ao campo escolhendo, cada um, seu tipo de jogo e papel.

Mais informações sobre o tema:
http://comunicacaoeesporte.com




Nenhum comentário:

Postar um comentário