quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Luiz Mendes: O Craque da Palavra



Por André Ribeiro
O último encontro com mestre Luiz, como costumava tratá-lo, foi uma lição de vida. De São Paulo, quando liguei para agendar um encontro com ele para o livro “Donos do Espetáculo – Histórias da Imprensa Esportiva no Brasil”, como sempre, foi modesto: “Mas eu? Quem sou eu para fazer parte deste time que você está escalando?”. Luiz parecia querer evitar a entrevista, não por causa da deferência que era feita a ele de integrar o time de profissionais mais experientes da imprensa esportiva brasileira, mas por conta de seu estado de saúde. Como todo repórter, insisti, dizendo que o papo seria breve e que ele, Luiz, não poderia ficar de fora de um livro que pretendia contar a história da imprensa no Brasil. Apelo aceito, toquei a campainha do apartamento 901, na Rua Aires Saldanha, em Copacabana, onde morava havia anos. Já havia estado ali alguns anos antes, em 1998, para entrevistá-lo para o livro sobre o Diamante Negro, pois Luiz, era o único narrador ainda vivo que havia narrado um jogo do craque rubro negro. Diferente desta vez, Luiz não atendeu a porta. Fui recebido pela assistente do lar que recomendou que eu aguardasse. Ouvi de longe a conversa dela com Luiz, no quarto que ficava no corredor. 
Ao entrar no quarto, começava a entender suas razões para evitar a entrevista quando liguei. Ele estava deitado na cama. Um cobertor leve cobria-lhe o corpo. Nunca mais poderia esquecer daquele cenário. Na cabeceira, ao lado da cama, ao invés de aparelhos ou remédios para ajudar na recuperação de um doente, estava um aparato de aparelhos da rádio Globo que permitiam a ele continuar a fazer seus comentários e transmissões. Na frente da cama, um aparelho de televisão para assistir aos jogos que a rádio transmitisse. E, claro, um microfone, instrumento que durante tantos anos ele segurou. Sem graça, lancei um papo furado: “Poxa mestre, o que está acontecendo?”. Luiz pediu para que eu me ajeitasse à beirada da cama. Estava sorrindo, aquele sorriso que quem o conhece, jamais se esquece. Pegou em minhas mãos, apertou-as com força e olhando nos meus olhos disse: “Entendeu agora porque não queria que viesse aqui?”. Percebendo que nada daquilo pelo o que estava passando estava o incomodando, fiz a pergunta: “Mas o que aconteceu?”. Luiz relatou a cirurgia que havia acabado de fazer. Levantou o cobertor e mostrou-me as ataduras que cobriam a perna com o pé amputado: “Diabetes”, disse ele.

Prontamente, Luiz se acendeu para o que mais gostava de fazer: falar sobre futebol. “Então, do que você precisa de mim?”. Não me senti constrangido em ficar ali, mesmo no estado de saúde em que ele se encontrava, porque Luiz parecia feliz com tudo aquilo. Ficamos ali por cerca de três horas conversando, histórias que me ajudaram imensamente a construir meu livro. No final, pediu desculpas por não poder me acompanhar até a saída. Pediu-me um abraço e uma recomendação: “não esqueça de mandar um exemplar quando o livro ficar pronto”.
Aquele momento tornou-se inesquecível para mim. Decidi, então, convidá-lo para escrever o prefácio do livro e que mais abaixo você poderá conferir. Suas palavras elogiosas só me trouxeram enormes lições, como a simplicidade e a gratidão por tudo recebido. Nunca encontrei palavras para agradecer-lhe este prefácio maravilhoso.
Também abaixo, leia um pouco das histórias que Luiz contou, a mais marcante para mim, agora em seu momento de partida é a cena do avião que dispara panfletos pelas praias cariocas anunciando sua chegada ao rádio brasileiro. De onde estiver agora, com certeza Luiz Mendes deve estar jogando panfletos novamente agradecendo por tudo que viveu por aqui. E sorrindo, sempre... Fique com Deus mestre !!!
Luiz Pineda Mendes, gaúcho da cidade de Palmeira das Missões, de 20 anos, desembarcou no Rio de Janeiro, a capital da República, atrás de um objetivo.
Luiz Mendes, como ficou nacionalmente conhecido, era apenas uma promessa da Rádio Farroupilha, de Porto Alegre, e estava no Rio para transmitir a partida da Seleção Gaúcha contra a Seleção Paulista. No Sul do país, soube da inauguração da Rádio Globo, e já que estava por lá, não custaria nada tentar uma vaga na nova emissora. Luiz procurou o locutor chefe da emissora, Rubens Amaral, um dos diretores da rádio, exatamente em 2 de dezembro, dia da sua inauguração. O encontro aconteceu na sorveteria Americana, que ficava ao lado do Hotel Serrador, entre as ruas Álvaro Alvim e Senador Dantas, no centro do Rio de Janeiro. A primeira pergunta de Rubens foi para saber se o garoto gaúcho tinha alguma experiência. Luiz Mendes apresentou um crachá da Rádio Farroupilha e veio a pergunta: “Você é locutor da Farroupilha?”. Luiz confirmou e recebeu o convite: “Então apareça amanhã, às três horas da tarde”. O gaúcho saiu feliz da vida com a resposta e, pontualmente, compareceu à emissora conforme o combinado, imaginando que seria submetido a algum teste. E surpreendeu-se com o que ouviu: “Recebi o convite para retornar no dia seguinte, novamente às três horas da tarde, só que dessa vez, para começar a trabalhar no programa Chá das três, apresentado pelo locutor Luiz de Carvalho. Minha missão era ler os textos comerciais da produção”.

Luiz Mendes só não começou a trabalhar no esporte por causa de seu sobrenome. É que na equipe esportiva da emissora trabalhava como comentarista Alberto Mendes, que exigiu do chefe da equipe, Gagliano Neto, que o novato gaúcho trocasse de nome. Luiz Mendes preferiu continuar a ler comerciais e foi dessa forma que atraiu a atenção de um dos maiores anunciantes na Rádio Globo da época.
Antonio Paraíso havia criado na emissora a expressão “faixa nobre”, para designar o espaço dedicado aos grandes programas, e Luiz Mendes tornou-se o favorito do dono da empresa A Exposição, primeira loja de departamentos e uma das pioneiras dos crediários no Brasil, pela forma com que narrava os textos da campanha comercial da empresa, especialmente o que dizia: “Basta ser um rapaz direito para ter crédito na A Exposição”.
O dono de A Exposição solicitou então que Luiz Mendes lesse os comerciais durante as transmissões esportivas. No dia 1º de maio de 1946 houve a festa do trabalhador no estádio de São Januário, com a presença do novo presidente da República, Eurico Gaspar Dutra. O local estava entupido de tanta gente para ver Flamengo e São Paulo. Gagliano Neto, além de chefe da equipe, era o locutor principal da emissora. Faltavam poucos minutos para a partida começar e nada de Gagliano chegar. Até que um telefonema revelou que o narrador estava com dois pneus de seu carro furados em uma estrada de Petrópolis. Imediatamente, Luiz Mendes prontificou-se a narrar a partida. Foi emocionante. Com apenas 22 anos, o jovem gaúcho fez então a locução de um clássico repleto de estrelas como Nilton Canegal, Norival, Biguá, Bria e Jaime do Flamengo; além de Luizinho, Sastre, Remo, Leônidas e Teixeirinha, do São Paulo.

Naqueles tempos, as Organizações Globo eram chamadas de Empresa Jornalística Brasileira, e no dia seguinte à transmissão improvisada Luiz Mendes recebeu a proposta oficial de Roberto Marinho, o todo-poderoso da empresa, para ser o locutor número um de futebol da Rádio Globo. Segundo Luiz Mendes, Roberto Marinho confidenciou-lhe que estava descontente com algumas atitudes de seu principal locutor: “Gagliano arrumava anúncios para as transmissões e ele mesmo ia cobrar. Tirava a comissão dele e aí pagava o da rádio”.
A estreia oficial de Luiz Mendes nos microfones da Rádio Globo foi precedida de uma grande campanha publicitária, de fazer inveja a qualquer marqueteiro da atualidade: “As praias do Rio de Janeiro, especialmente em Copacabana, ficavam apinhadas de gente, metade da cidade ia para as praias. Colocaram um avião soltando um boletim com os seguintes dizeres: ‘Estréia na Rádio Globo o mais jovem locutor esportivo, Luiz Mendes, o craque da palavra’”.

Prefácio do livro 
Donos do Espetáculo – Histórias da Imprensa Esportiva no Brasil


A literatura esportiva no Brasil tem crescido satisfatoriamente nos últimos tempos.  Até há poucos anos, contavam-se nos dedos as obras que focalizam os esportes, embora a abrangência social que os jogos esportivos alcançam, justifique plenamente que o assunto seja destacado da forma mais ampla possível. Aos poucos, porém, foram surgindo escritores com a coragem de assumir trabalhos dedicados principalmente ao futebol – maior paixão popular do Brasil. Eu mesmo já me aventurei com duas obras e me considero satisfeito com os resultados obtidos. Na minha trajetória de sessenta anos de atividades em jornais, rádios e emissoras de televisão, cheguei a testemunhar a presença de figuras importantes da literatura brasileira no meio da crônica esportiva, numa demonstração de que respeitáveis nomes da nossa inteligência também se deixam envolver pelas mesmas emoções vividas pelo povo do nosso país.  O famoso escritor José Lins do Rego chegou a ter uma coluna no Jornal dos Sports do Rio de Janeiro que se intitulava Esporte e Vida.  O grande autor de Menino de Engenho mantinha presença diária nas páginas do referido jornal.  Nelson Rodrigues, o polêmico autor de Vestido de Noiva, não só escrevia diariamente em diversos órgãos da imprensa nacional, como participava aos domingos de uma mesa redonda na televisão, num programa que era comandado por mim.  O poeta Vargas Neto, considerado o maior em poesias regionais do Rio Grande do Sul, autor de Gado Xucro e Tropilha Crioula, não só publicava uma coluna de futebol na imprensa como foi, por muitos anos, Presidente da então Liga Carioca de Futebol.


A chegada de gente ilustre das lides literárias brasileiras ao recinto da crônica esportiva valorizou a atividade, trazendo para o nosso meio uma importância que até ali não tínhamos. Isso despertou na juventude de nosso país o interesse pelo jornalismo esportivo e foram surgindo novos escritores com indiscutível valor profissional como é o caso do autor de Os Donos do Espetáculo, que escolheu o caminho das biografias e da história de alguns setores que fazem o suporte maior do futebol. Refiro-me ao jovem André Ribeiro que nos entregou duas preciosidades que foram os livros Diamante Negro, biografia de Leônidas da Silva e Fio de Esperança contando a vida de Telê Santana.  Agora ele abre nova cortina nas janelas dos registros do mais popular dos esportes com este esplendido livro Os Donos do Espetáculo – Histórias da Imprensa Esportiva do Brasil. Penso que este livro servirá muito para todos os estudantes de comunicação que desejam ingressar no jornalismo esportivo. Como escola e como exemplo. Aqui figuram todos os nomes que nos pouco mais de cem anos da existência do futebol no Brasil, desde Charles Miller até os dias atuais, ajudaram a construir a grandeza futebolística do nosso país, a começar dos primeiros e tímidos passos e prosseguindo pela gloriosa conquista de cinco títulos mundiais. Sinto-me particularmente honrado por ter meu nome referido neste livro, principalmente por integrar um imenso exército de companheiros cujos serviços tanto ajudaram o Brasil a se tornar o mais importante país do mundo no mapa do futebol internacional. Sei que André Ribeiro não vai parar por aí.  Será muito bom que ele continue a mostrar para todas as gerações de brasileiros, tudo aquilo que forma a frondosa árvore plantada um dia por Charles Miller e regada por tantos outros que a fizeram fecundar,crescer e se tornar eterna.

LUIZ MENDES, 02/08/2007

4 comentários:

  1. Espero que o dia que eu me for haja alguém que possa escrever alguma coisa assim. Como é bom ver textos com alma.
    Parabéns André. O blog está bárbaro.

    ResponderExcluir
  2. André, gente como você honram a raça humana. Reconhecer o valor dos semelhantes é divino. Tenho orgulho em ser seu amigo e de ter tido o prazer de trabalhar com você.
    E reafirmo o que disse acima a Katia Rubio: "Literatura na Arquibancada" já é uma das melhores coisas para ler na internet.
    Abração,
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Brigadão César. Também me orgulho de sua amizade. Tento apenas olhar o mundo, ou melhor, as pessoas que fazem parte deste "mundinho" maluco como uma criança recém nascida: ingênuas, belas e cheias de amor para dar. Muita gente se esquece disso, mas eu faço força para acreditar sempre nesse olhar. Luiz Mendes me fez enxergar essa beleza no seu sorriso despretensioso, ingênuo e sincero.

    abração

    ResponderExcluir
  4. Kátia, minha querida professora. Você, sempre generosa. Espero que eu vá primeiro para poder ter suas palavras de conforto, pois você também sabe ver o mundo pelas pessoas e não pelo o que ele nos dá diariamente.

    bjs

    ResponderExcluir